Graça

 

Graça.

A definição encontrada em um dicionário para o termo graça é a seguinte: “O favor imerecido que Deus concede ao homem”. Embora tal definição seja verdadeira, é incompleta. Graça é um atributo de Deus, um componente do caráter divino, demonstrada por Ele através da bondade para com o ser humano pecador que não merece o Seu favor. 

Um Deus santo não tem nenhuma obrigação de conceder graça a pecadores, mas Ele assim o faz segundo o bem querer da Sua vontade. Ele demonstra graça ao estender Seu favor, Sua misericórdia e Seu amor para com o homem. Num certo sentido, a pessoa de Jesus é a expressão da graça de Deus Pai. Veja o que nos diz a Bíblia em  Tito 2.11:

Porque a graça de Deus se há manifestado, trazendo salvação a todos os homens 

Nós viemos de uma cultura religiosa onde o mérito é exaltado. Não raro, ouço alguém dizer: “se eu merecer, Deus vai fazer isso e aquilo por mim.” Ainda outros dizem numa cerimônia fúnebre: “fulano viveu a sua vida fazendo o bem, ele mereceu o céu, e nesse momento, está junto ao Pai.” Estas declarações são totalmente anti-bíblicas, pois o homem, por mais ilibado que seja o seu caráter e comportamento, continua merecendo o inferno, pois ele é um pecador.

Quando recebemos a salvação, a graça que estava disponível e ainda continua a todos, foi creditada em nossa conta. Foi unicamente por graça, favor imerecido, que fomos alcançados por Deus. Agora, após ter provado do “dom celestial”, a graça de Deus nos capacita a viver a vida que Deus planejou para nós. É assim. Graça maravilhosa e incomparável.

Para finalizar, lembrei-me da história de um juiz que estava sentado no banco da igreja, quando um homem que havia sido preso por ter cometido alguns crimes contra a sociedade, ajoelhou-se próximo ao púlpito e derramou suas lágrimas entregando-se ao Senhor. Alguns minutos depois, quando o culto terminou, o juiz comentava com o pastor: “Como é maravilhosa a graça de Deus!”, ao que o pastor respondeu: “essa graça se manifestou hoje de maneira tremenda salvando aquele ex-criminoso”. Diante de tal resposta, o juiz disse: “não pastor, eu não referia à salvação daquele homem que, certamente, foi obra da graça de Deus, mas sim a mim, um pecador perdido. Fui criado numa ótima família. Fui para os melhores colégios, tive o amor de meus pais, provei muitas coisas boas na  vida, sempre fui honesto e cumpridor das minhas obrigações, mas era arruinado espiritualmente, pois vivia distante de Deus. Eu estava maravilhado ao ver aquele homem entregando a sua vida a Jesus, mas sentia-me emocionado, porque a graça de Deus me alcançou.”

Minha oração e desejo é que você possa provar, se ainda não provou, da graça salvadora de Deus em sua vida.

No amor de Cristo Jesus,

Pr. Natanael Gonçalves