A Surpresa! Tópico 8


by

…que sois guardados pelo poder de Deus, mediante a fé, para a salvação preparada para revelar-se no último tempo (1Pedro 1:5).

No texto acima, Pedro informou aos crentes em Cristo que eles são guardados pelo poder de Deus; todavia, esta não é a explicação completa. No verso seguinte, ele disse: Nisso exultais, embora, no presente, por breve tempo, se necessário, sejais contristados por várias provações. De maneira mais específica, Pedro amplia o conselho a seus leitores em aflição, mais à frente: Amados, não estranheis o fogo ardente que surge no meio de vós, destinado a provar-vos, como se alguma coisa extraordinária vos estivesse acontecendo (1 Pedro 4.12). Agora, tudo parece fazer mais sentido, uma vez que estamos alinhados com Aquele a quem Satanás odeia. Se você é injuriado, odiado e perseguido, saiba que você não é maior que o Seu Mestre. Se o fizeram a Jesus, por que não o fariam a você? Talvez, alguém poderia dizer: “Eu estava ocupado com meus afazeres e obedecendo a Deus, quando todas essas coisas sucederam!” A resposta enfática a essa afirmação seria: “Se você não estivesse caminhando com Deus em fidelidade, não haveria razão para ser objeto de tamanho desprezo do diabo”.

Para o apóstolo, há algo mais a ensinar a respeito da prova. O verso 13 de 1 Pedro 4, é uma continuação do verso 12 do “não estranheis” e mostra como Deus considera este tipo de sofrimento: “pelo contrário, alegrai-vos na medida em que sois coparticipantes dos sofrimentos de Cristo, para que também, na revelação de sua glória, vos alegreis exultando”. Algumas coisas interessantes observamos neste versículo. Note; Pedro não poderia ter dito; “Sofram como Cristo sofreu”, pois isso não seria correto. Ninguém poderia sofrer como Jesus sofreu. Deus jamais o permitiria e mais ainda, nunca seríamos capazes de faze-lo. Em nossa experiência, conhecemos somente um grau limitado de Seu sofrimento, mas ainda assim essa experiência pode exercer em nós uma profunda transformação. A palavra “participar” (coparticipante) é uma palavra conhecida. Já falamos dela, anteriormente, no Tomo 4 – “Koinonia”. Trata-se da mesma palavra que Paulo usou para comunhão (participação) em Filipenses 3.10: “para o conhecer, e o poder da sua ressurreição, e a comunhão dos seus sofrimentos…” Quando Pedro escreveu: “…na medida em que sois coparticipantes dos sofrimentos de Cristo, se referia à mesma coisa que Paulo. Se você está sofrendo em solidão, fique certo de que Deus contempla o seu sofrimento. Os sofrimentos relacionados com as provas, estavam no plural para Jesus e, também estão para nós. No entanto, é preciso ter em mente uma coisa: Ao passarmos por essas provas, temos uma companhia santa e majestosa em meio às lutas e sofrimentos.

Ao finalizar este tópico, destaco uma verdade: para muitos cristãos do século XXI, lutas, aflições e sofrimentos, são palavras que não devem ser pronunciadas. Gostam de ouvir e também de ler sobre outras coisas, menos a respeito da aflição do cristão. Como lidar com o tema do sofrimento? A resposta é uma questão de perspectiva. Portanto, acompanhe cada Tomo desta série, lembrando que o texto acima nos afirma que somos guardados pelo poder de Deus.

No amor de Cristo Jesus,

Pr. Natanael Gonçalves

share

Recommended Posts