As Pegadas – Tópico 1


by

Pedro, apóstolo de Jesus Cristo, aos eleitos que são forasteiros da Dispersão no Ponto, Galácia, Capadócia, Ásia e Bitínia (1 Pedro 1:1).

Em Atos 16.6-7, vemos que Deus não permitiu a Paulo pregar o evangelho na Ásia e também na Bitínia. Essa região, nos dias de hoje, é identificada com a Turquia. Entretanto, essa proibição a Paulo não significava que o Senhor havia rejeitado aquelas pessoas, antes, como Ele é um Deus de propósitos, enviou a Pedro, segundo os seus sábios desígnios. No texto acima, observamos que o apóstolo escreveu aos cristãos dispersos pela Ásia Menor. Eles, não apenas estavam sofrendo, mas também enfrentavam a probabilidade de que esses sofrimentos iriam aumentar muito. A perseguição envolvia famílias inteiras e os rebanhos estavam assustados, com medo do que viria pela frente. Para piorar as coisas, as circunstâncias pareciam indicar que o cristianismo estava derrotado e a ponto de ser aniquilado.  A maioria dos apóstolos e líderes originais haviam sido mortos, e agora, o imponente poder de Roma pendia sobre todos os cristãos.

Pedro começou sua primeira epístola destacando o amplo contraste entre o temporal e o eterno, tanto no reino físico material como no espiritual. Aqueles que consideram que Deus tem a obrigação de dar-lhes o paraíso na terra, não possuem o conceito do enfoque de Pedro, mas é bom lembrar que foi o Espírito Santo que o inspirou a escrever. Os primeiros doze versículos de 1ªPedro, consistem nos fundamentos doutrinários e, o restante do livro, em exortações sobre essas verdades. O apóstolo se referiu aos cristãos como expatriados, ou seja, às pessoas que sabem que este mundo não é o lar delas. Dirige seu foco, todavia, às moradas eternas com Jesus. Faz-lhes lembrar a grandeza da salvação que possuem, referindo-se a ela em ordem cronológica inversa. Começa com o futuro, porque é aí onde os cristãos, finalmente, farão da esperança uma realidade presente. No futuro há uma herança incontaminada e imarcescível, já reservada para eles no céu; uma recompensa de um valor incomparavelmente maior que tudo aquilo que o mundo pode oferecer (1Pe 1.3-5).

Ainda que as provas sejam extremamente severas para os leitores de Pedro (e também para nós), qualquer coisa que suportem ou percam, enquanto estão neste mundo, Deus retornará muitas vezes mais, na cidade eterna. De fato, a salvação que os cristãos possuem é de tal magnitude, que os anjos anelam perscrutar (v. 12). Os anjos veem tudo aquilo que o mundo pode oferecer: poder, glória, beleza, riquezas, fama. Todavia, é a nossa salvação que os intriga. Para dizer com mais clareza, se Deus o permitisse, e você pudesse conversar com um anjo e lhe propor uma troca de lugar, o anjo negociaria com você. A despeito de todas as suas lutas, choros e dor, o anjo trocaria com você sem objeções. Você se converteria num anjo, e o anjo, em um cristão. Entretanto, seria uma transação absolutamente injusta, já que o negócio acabaria sendo muito superior para o anjo.  Apesar do sofrimento e de tantas outras coisas que o cristão enfrenta neste mundo, o que interessa aos anjos é a grandeza da salvação dos que conhecem a Jesus. Sem dúvida, é o que também deveria ocupar a maior parte dos pensamentos dos crentes em Cristo.

Bem, finalizo por hoje, mas ressalto que um dos grandes problemas de muita gente dentro da igreja, é não atentar com mais diligência para aquilo que já recebeu de Deus, ou seja, o céu. Não há bênção maior que essa.  No entanto, note: essas pessoas acabam minimizando tão grande bênção, quando buscam com tanta insistência as coisas desta vida e, nesta busca, terminam se ferindo. Você está entre aqueles, cujos os olhos estão nas coisas terrenas ou nas celestiais?

No amor do Salvador,

Pr. Natanael Gonçalves

share

Recommended Posts