O cálice – Tópico 11


by

E ele lhes perguntou: Que quereis que vos faça? Responderam-lhe: Permite-nos que, na tua glória, nos assentemos um à tua direita e o outro à tua esquerda. Mas Jesus lhes disse: Não sabeis o que pedis. Podeis vós beber o cálice que eu bebo ou receber o batismo com que eu sou batizado? Disseram-lhe: Podemos… (Marcos 10:36-39).

É próprio da nossa natureza humana retroceder diante do cálice que está posto diante de nós. O Senhor, contudo, tinha à sua frente o cálice que devia beber, o qual, cuja profundidade, supera nossa limitada compreensão. Aquele cálice foi tão intenso, a ponto de Jesus verter gotas de sangue pelos poros de seu corpo, enquanto lutava em oração e agonia diante do Pai Celestial. Em contraste com a ignorância de Tiago e João, Jesus sabia muito bem em que consistia o cálice que Ele devia beber. Quando o Senhor falou sobre o seu cálice, Ele se referiu ao evento que aconteceria em pouco tempo no lugar chamado Getsêmani, nome que, curiosamente, significa “lugar de moagem”, onde se triturava o fruto da oliveira para fabricar o azeite. Deveríamos ficar maravilhados com as palavras ditas antecipadamente por Isaías: Mas ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniquidades… (Isaías 53.5). Se Jesus não houvesse bebido o Seu cálice, o nosso cálice conteria um inferno sem fim, isto é, a separação eterna de Deus e a falta absoluta de um Redentor. Faça uma pausa e medite sobre isso.

Quando Pedro tentou evitar a prisão de Jesus, o Salvador lhe respondeu: “Mete a espada na bainha; não beberei, porventura, o cálice que o Pai me deu?” (João 18:10-11). O Senhor sabia que deveria beber o seu cálice. Ele o bebeu para que fôssemos capazes de beber o nosso. Bebeu o que Deus pôs diante Dele a fim de que pudéssemos, para sempre, ter parte com Ele. Em três momentos sucessivos, com grande agonia, Jesus suplicou a Deus para remover o cálice. No entanto, também orou três vezes dizendo: “Todavia, não seja como eu quero, mas como Tu queres” (Mateus 26:39). Esta frase custou um alto preço a Jesus e custará também a você, se, em sinceridade, você a pronunciar e não se limitar a uma forma automática naquilo que chamamos de oração.

Quando você ora… Por que coisas você ora?

Seja honesto. Somos responsáveis em pegar o cálice e bebe-lo. Jesus o oferece, porém, nem todos o recebem. Você pode beber o cálice que Ele bebeu? Deveríamos orar assim: Dá-me força e coragem. Transforma-me em um vaso adequado para receber aquilo que queres dar-me como também para ser a pessoa que desejas que eu seja. Esvazia-me para encher-me de Ti mesmo. Faça a Tua vontade na terra e em minha vida, como também ela é feita no céu. Amém!”

Se você for capaz de fazer esta oração, a qual significa entrega de si mesmo, começará a caminhar com Jesus de uma maneira nova. Sim, um estilo de vida que inclui picos e profundidades surpreendentes. Andar com o Senhor não é um processo instantâneo, mas significa dar um passo de cada vez.

Quem se dispõe?

Naquele que fortalece quem se despe das suas próprias forças,

Pr. Natanael Gonçalves

share

Recommended Posts